Como pesquisar um ETF (e glossário dos termos técnicos)

Agora que você já sabe o que é um ETF, como ele funciona, como escolher e quanto custa, é hora de discutirmos como pesquisar um ETF.

São dois os sites mais populares para pesquisa e comparação de ETFs:

Outra alternativa é pesquisar informações sobre um ETF direto do site das gestoras. No caso das famosas ETFs irlandesas de acumulação, as principais gestoras são:

Para sua sorte, apreder a investir é muito mais fácil do que aprender russo!

Que termos você deve saber para pesquisar ETFs com proficiência:

Para nossa sorte, as informações mais importantes sobre uma ETF podem ser retiradas do seu próprio nome. Vejamos alguns exemplos de nomes de ETFs domiciliados na Irlanda:

  • iShares(1) Core(2) S&P 500(3) UCITS(4) ETF (Acc)(6)
  • iShares(1) Edge(2) MSCI World Value Factor(3) UCITS(4) ETF
  • Vanguard(1) FTSE All-World(3) UCITS(4) ETF (USD)(5) Accumulating(6)
  • Xtrackers(1) S&P 500 Equal Weight(3) UCITS(4) ETF
  • Invesco(1) S&P 500 Low Volatility(3) UCITS(4) ETF Acc(6)

(1): O primeiro termo é sempre o nome da gestora do ETF.

(2): O segundo termo, que nem sempre aparece, é uma indicação do grupo ou tema que melhor caracteriza o ETF. Por exemplo: “Core” indica um ETF que poderia formar a base neutra de uma carteira, enquanto “Edge” indica um ETF com maior volatilidade para uso estratégico em um portfólio.

(3): O índice que o ETF segue. Sem dúvida, esse é o termo mais importante já que é o índice que definirá quais empresas farão parte do fundo, e em que proporção.

Note que as empresas que definem os índices não são as mesmas que as gestoras do ETF. Em geral, as gestoras pagam às criadoras de índices uma taxa para licenciar o uso do índice nos seus fundos. Também é possível obter mais informações sobre os índices nos sites das empresas que os definem. As principais são Standard and Poor’s, MSCI e FTSE Russell.

Neste termo também é possível saber se o índice é neutro ou temático. Nos ETFs acima, são exemplos de índices temáticos o “MSCI World Value Factor” (fator valor), “S&P 500 Equal Weight” (proporções iguais — em oposição ao neutro que seria pela proporção de mercado), e “S&P 500 Low Volatility” (empresas com baixa volatilidade, ou seja, beta menor do que 1,0).

Este termo também pode aparecer como “benchmark” nos materiais de divulgação dos ETFs.

(4): UCITS aparece no nome de todas as ETFs europeias e indica que o fundo é regulado pelas autoridades da União Europeia e deve cumprir certos requisitos de diversificação, qualidade, liquidez, transparência, proteção ao investidor, dentre outros.

Pode parecer apenas uma mera formalidade, mas considero este ponto muito importante. Ele, por si só, já justificaria a minha preferência por ETFs europeus sobre os brasileiros. Em breve farei um texto sobre isso. Para saber mais recomendo ler o Q&A da agência reguladora europeia sobre o assunto.

(5): Moeda de operação do fundo (fund currency). Este termo raramente aparece no nome de um ETF e é a moeda que o fundo usa para as suas operações.

É importante não confundir com a moeda usada para comprar ou vender cotas do fundo (trade currency). A maioria dos fundos pode ser comprado ou vendido em várias moedas. Por exemplo, a moeda de operação do fundo “iShares Core S&P 500 UCITS ETF (Acc)” é o dólar. As suas cotas podem ser compradas em dólar pelo ticker CSPX na Bolsa de Londres, ou em libras pelo ticker CSP1, ou em euros pelo ticker CSSPX na Bola Italiana, etc. A melhor forma de saber em quais bolsas e moedas as cotas de um fundo são negociadas é pelo site justETF.com, na seção “listings of…” (a última seção da página que contém os detalhes de um ETF).

(6): Algumas vezes a política de distribuição (distribution policy) aparece no próprio nome do fundo como C, Acc, Accumulating, D, Dist, ou Distributing.

Isso se refere a forma como o fundo distribui aos seus cotistas os dividendos oriundos das empresas que fazem parte dele.

Nos fundos acumuladores os dividendos são usados diretamente pelos fundos para comprar mais cotas das ações das empresas, sem que haja distribuição para os cotistas. Portanto, essas cotas irão crescer mais rápido do que a dos fundos distribuidores, que são aqueles que repassam os dividendos aos cotistas.

Para brasileiros os fundos acumuladores são mais vantajosos, pois com eles não é necessário pagar imposto de renda sobre dividendos. Os fundos distribuidores só fazem sentido para pessoas que moram em países que possuem uma taxação menor para dividendos do que para ganho de capital.

Lembrando que não é necessário receber dividendo para viver de renda passiva. Isso é uma asneira espalhada por “influenciadores” brasileiros que não sabem o que estão falando.


Outros termos relevantes:

Classe de ativos (asset class): A classe de ativos determinará que tipo de ativos farão parte do fundo: ações (equity), títulos (bonds), commodities, etc. No caso de ETFs, as mais populares são ETFs de ações. Em inglês essa classe de ativos também é conhecida como “equity“. Se você leu o texto “Como funciona o mercado de ações?” sabe que ao comprar uma ação você está, na prática, se tornando dono de uma empresa. O termo “equity” provavelmente tem sua origem no fato que os acionistas (donos) de uma empresa têm — a princípio — direitos iguais (equal) aos dos outros acionistas (proporcionais a quantidade de ações que possuem).

Domicílio do fundo (fund domicile): Em qual país o fundo está registrado. Isso é importante porque terá impacto nas regulações que o fundo deverá obedecer, e — principalmente — o quanto de impostos ele irá pagar quando receber ou distribuir dividendos. Para a maioria dos não americanos os fundos domiciliados na Irlanda são os mais vantajosos. Recomendo ler este artigo no wiki do Bogleheads para saber mais.

Uso do lucro (use of profit): sinônimo de política de distribuição, já descrito acima. Também pode aparecer como “use of income” nos materiais de divulgação dos fundos.

Taxa total de despesa (total expense ratio — TER): É o quanto você irá pagar, implicitamente, de taxa para o fundo pelo serviço que ele está te prestando. Digo implicitamente pois esse valor não aparecerá no extrato da sua conta na corretora, mas será descontado internamente do patrimônio do fundo. É uma taxa anual. Por exemplo, o fundo CSPX tem uma TER de 0,07%. Se uma pessoa tem o equivalente a 100 mil dólares em CSPX, em um ano ela terá “pago” o equivalente a 70 dólares de taxa. Coloco pago entre aspas já que, na verdade, ela terá deixado de ganhar esses 70 dólares, pois esta taxa é descontada internamente do patrimônio do fundo. Na prática, o fundo rende um pouco menos do que o índice que ele segue devido ao desconto da taxa total de despesa.

Também pode aparecer como “ongoing charges” ou “all-in-fee” nos materiais de divulgação dos fundos.

Tamanho do fundo (fund size): O valor total do patrimônio do fundo, ou seja, o tamanho da cesta. Na prática, este número representa o quão popular é o ETF. Se você leu o texto “como funciona um ETF” sabe que o preço da sua cota não varia segundo a oferta e demanda da cota, mas sim conforme os ativos que fazem parte da cesta (do índice que o fundo segue). Quanto mais pessoas comprarem cotas da cesta, mais ovos a cesta terá e maior será o patrimônio do fundo.

Muitas vezes os maiores fundos são os melhores, mas nem sempre. Às vezes podem ser os maiores por serem os mais antigos.

Este termo também pode aparecer como “net assets of fund” ou “total fund assets“.

Por hoje é isso amigos capiveiros.

Investimento longo e próspero!

— Capivara 💎🖖

PS: falarei sobre volume de transações, liquidez e spread em um texto a parte, pois há muita nuance nesse tópico.

PS: o TER não é o único parâmetro que faz o valor de um ETF variar distintamente ao índice que o ETF segue. Isso ficará mais claro no texto referido no PS anterior. Aguarde e confira!

PS: para não perder os próximos textos, clique no sino para receber uma notificação quando tiver post novo.

2 comentários

  1. Eu não entendi muito bem!!! Eu não soube muito bem onde encaixar as informações. Por exemplo, como eu faria para achar um etf de S&P 500 ou nasdaq, core, usd, porém em um valor mais baixo, tem algum modo? Pois, uma entrada de 450 dolares é bem salgado para meu bolso de investidor iniciante.
    Queria algo até 200/250 USD, existe isso?

    1. Você poderia pesquisar todos os ETFs que seguem o S&P 500, por exemplo, no justetf.com e ver qual tem o menor preço. O VUAA, por exemplo, segue o S&P 500 e custa 84 dólares. A maioria está na faixa dos 100 dólares, o CSPX acaba sendo uma exceção custando 450.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.